PÁGINA INICIAL
 
 
   
PROFISSIONAIS
EQUIPE
TRATAMENTOS
ARTIGOS
SAÚDE BUCAL
ESTRUTURA
LINKS
CONTATO
   
 
1. O que é doença periodontal?

Doenças periodontais, incluindo gengivite e periodontite, são infecções sérias que, se não tratadas, podem causar a perda dentária. A palavra periodontal significa literalmente "ao redor do dente". A doença periodontal é uma infecção bacteriana crônica que afeta as gengivas e o osso que suporta os dentes .
A doença periodontal pode afetar um ou vários dentes. Esta doença inicia quando a bactéria presente na placa (película viscosa e incolor que constantemente se forma sobre os dentes) começa a inflamar a gengiva.

Na forma mais branda da doença, a gengivite , a gengiva se torna vermelha, inchada e sangra com facilidade. Nesta fase, há pouco ou nenhum desconforto. A gengivite é causada por higiene oral inadequada, e é reversível com tratamento profissional e uma boa higiene oral doméstica.
Há indícios que a gengivite não tratada pode evoluir para periodontite. Com o tempo a placa pode se espalhar e crescer por baixo da gengiva (placa subgengival). As toxinas produzidas pela bactéria da placa irritam a gengiva. Essas toxinas estimulam uma resposta inflamatória crônica, onde nosso organismo se volta contra si próprio, e os tecidos e o osso que suporta os dentes são atacados e destruídos. As gengivas se separam dos dentes, formando bolsas periodontais (espaços entre os dentes e as gengivas) que se tornam infeccionadas. A medida em que a doença (periodontite) avança, as bolsas se tornam cada vez mais profundas, e mais tecido gengival e osso são destruídos. Este processo destrutivo apresenta sintomas bastante brandos. Eventualmente, os dentes podem apresentar mobilidade, e ter de ser extraídos.

2. Causas da doença periodontal
A causa principal da doença periodontal é a placa bacteriana (ou biofilme), película viscosa e incolor que constantemente se forma sobre os dentes. Entretanto, fatores como os citados a seguir também podem afetar a saúde de suas gengivas.
Fumo:

O cigarro está relacionado com muitas doenças sérias como o câncer, doenças pulmonares, problemas cardiovasculares, assim como muitos outros problemas de saúde. O que você pode não saber é que os fumantes estão sob maior risco de apresentar doença periodontal. De fato, estudos recentes demonstraram que o cigarro pode ser um dos mais importantes fatores de risco no desenvolvimento e na progressão da doença periodontal.
Genética:

Pesquisas provam que mais de 30% da população pode ser geneticamente susceptível à doenças gengivais. Apesar de bons hábitos de higiene e cuidado oral, estas pessoas podem ser seis vezes mais predispostas a apresentarem doenças periodontais. Identificar estas pessoas e submetê-las a um tratamento prévio pode ajudá-las a manter seus dentes por toda a vida.
Gravidez e Puberdade:

Escovar bem os dentes, usar fio dental, uma dieta saudável, e exercícios físicos regulares são importantes para manter uma boa saúde. No entanto, em determinadas fases da vida de uma mulher, estes cuidados devem ser redobrados. Fases como a puberdade e menopausa, ou ainda períodos menstruais e gravidez, são períodos de intensas alterações hormonais, que podem afetar diversos tecidos em todo o corpo, inclusive as gengivas. Estas podem se tornar sensíveis e até reagir agressivamente a essa flutuação hormonal, o que aumentaria a susceptibilidade à doença periodontal. Além disso, estudos recentes sugerem que mulheres grávidas que apresentam periodontite estão sob um risco sete vezes maior de ter um parto pré-maturo, e bebês de baixo peso.
Estresse:

Você já deve ter ouvido que o estresse está relacionado com muitas doenças sérias como hipertensão, câncer, assim como muitos outros problemas de saúde. O que você pode não saber é que o estresse também é um dos mais importantes fatores de risco no desenvolvimento e na progressão da doença periodontal. Pesquisas demonstram que o estresse torna mais difícil para o organismo lutar contra infecções, inclusive as doenças periodontais.
Medicamentos:

Alguns medicamentos como contraceptivos orais, antidepressivos, anticonvulsivos, e certos medicamentos para problemas cardiovasculares, podem afetar sua saúde oral. Assim como você informa ao seu médico sobre os medicamentos que faz uso, você também deve nos informar sobre os medicamentos em uso.
Parafunção:

Você range seus dentes à noite? Seu maxilar está dolorido por apertar seus dentes quando você está sob tensão? Apertar ou ranger os dentes submete os tecidos ao redor dos dentes a um excesso de força e pode acelerar a destruição dos tecidos periodontais em caso de doença.
Diabetes:

Diabetes é uma doença que altera os níveis do açúcar no sangue. A diabetes se desenvolve por uma deficiência na produção de insulina (hormônio que é o componente chave no processo de consumo do açúcar no sangue pelo organismo) ou uma incapacidade do organismo de utilizar esta insulina corretamente. De acordo com a Associação Americana de Diabetes, aproximadamente 16 milhões de americanos têm diabetes; entretanto, mais da metade não foi diagnosticado para esta doença. Se você é diabético, você tem um risco maior de desenvolver infecções, incluindo as doenças periodontais. Estas infecções podem diminuir a capacidade de produzir e/ou utilizar a insulina, o que pode dificultar o controle da diabetes, como também pode tornar a infecção mais severa do que em indivíduos não diabéticos .
Má Nutrição:

Como você já deve saber, uma dieta pobre em nutrientes importantes pode comprometer o sistema imune e tornar mais difícil para o corpo lutar contra infecções. Já que a doença periodontal é uma doença infecciosa, a má nutrição pode piorar a condição de suas gengivas.
Outras Doenças Sistêmicas:
Doenças que interferem com o seu sistema imune podem afetar a sua saúde bucal.

3. Quando eu devo visitar o Periodontista?
Se você valoriza sua saúde bucal assim como sua saúde geral, qualquer hora é uma boa hora para nos visitar para uma avaliação específica de periodontia. Na maioria das vezes a doença periodontal somente pode ser diagnosticada através de uma avaliação profissional precisa. Uma avaliação periodontal pode ser especialmente importante se você apresentar alguma destas características:
Sinais e sintomas da doença periodontal:
• Gengivas que sangram facilmente, durante a escovação ou uso do fio dental
• Gengivas vermelhas, inchadas ou flácidas
• Gengivas que se afastam dos dentes
• Mal hálito persistente
• Presença de secreção purulenta entre os dentes e as gengivas
• Mudança de posição ou mobilidade dentária
• Alteração na forma com que seus dentes se encaixam entre si quando você morde.
• Possui um membro da família que tem doença peridontal. Pesquisas têm demonstrado que bactérias que causam doença periodontal podem ser transmitidas através da saliva, o que expõe crianças e conjugues ao risco de contrair doença periodontal. Além disso, a hereditariedade genética também é um fator de risco para doença periodontal.
• Possui problemas cardíacos ou respiratórios, diabetes, ou osteoporose. Pesquisas em andamento tem demonstrado que a doença periodontal pode ter ligação com as condições citadas acima. Bactérias associadas à doença periodontal e componentes inflamatórios podem, através da corrente sangüínea, ser uma ameaça a outras partes do organismo. Gengivas doentes, organismo doente.
• Se seus dentes aparentam estar mais curtos ou o seu sorriso mostra muito a sua gengiva.
• Se seus dentes aparentam estar mais longos ou com maior sensibilidade ao frio ou ao calor.
• Presença de manchas ou depósitos de tártaro na superfície de seus dentes, principalmente próximo a gengiva.
• Se você fuma mais de 10 cigarros por dia.

4. O que eu devo esperar da minha primeira visita ao Periodontista?
Durante sua primeira consulta, o especialista em periodontia irá revisar sua história médica e dental completa junto com você. É extremamente importante para nós sabermos se você está utilizando alguma medicação ou está sob tratamento de alguma condição que pode afetar sua saúde periodontal. O periodontista irá examinar suas gengivas, verificar a ocorrência de retrações gengivais, avaliar sua oclusão e checar se há mobilidade dentária. Ele também irá medir, através de sondagem periodontal, a presença e/ou severidade da doença periodontal. Exames radiográficos e sangüíneos também são freqüentemente solicitados com a finalidade de avaliar o grau de perda óssea, bem como possíveis alterações sistêmicas.
5. Como é feita a avaliação da doença periodontal?
O clínico geral pode detectar a presença de doença periodontal durante uma consulta de rotina. Porém, um exame completo e específico para determinar a severidade e extensão da doença é freqüentemente realizado pelo especialista. Uma vez que a avaliação está completa, o periodontista terá as informações necessárias para desenvolver um plano de tratamento mais adequado para você.
• Sua História Médica
• Sua História Dentária
• Exame Clínico
• Seu Plano de Tratamento
Sua História Médica

O especialista irá realizar perguntas sobre sua saúde geral como forma de auxiliar o diagnóstico e plano de tratamento. Por exemplo, condições de saúde como diabetes ou gravidez podem predispor o paciente à doença periodontal. Hábitos pessoais como o fumo, podem agravar a doença periodontal, e certos antibióticos utilizados no tratamento da infecção periodontal podem interferir com a efetividade de contraceptivos orais.

Sua História Dentária
Esta parte da avaliação se concentra na sua saúde dentária e tratamentos prévios. O periodontista irá obter informações tais como quando sua doença periodontal foi inicialmente diagnosticada, como ela foi ou vem sendo tratada, e como você vem cuidando dos seus dentes. Sua motivação, expectativas em relação ao tratamento, e comprometimento com os hábitos caseiros de higiene bucal também podem afetar o planejamento de seu tratamento periodontal, e o seu provável resultado final.
Exame Clínico Dentário

Serão examinados seus dentes e gengivas detalhadamente para avaliar a extensão da doença periodontal. Sua gengiva será avaliada em relação ao sangramento, volume, consistência, e contornos anormais. Seus dentes serão verificados quanto à mobilidade e sensibilidade. Outros fatores tais como a mordida, podem contribuir para a condição periodontal e, portanto também são averiguados. Exames radiográficos completos são freqüentemente solicitados para detectar a situação óssea ao redor dos dentes. Uma sondagem periodontal abaixo da linha gengival inclui a mensuração e registro da profundidade dos sulcos ou bolsas ao redor de cada dente. A presença e profundidade das bolsas periodontais não podem ser vistas ou sentidas. A sondagem é uma técnica fundamental e indispensável, utilizada para definir a severidade da doença e determinar seu plano de tratamento.
Sondagem periodontal

Os tecidos gengivais ao redor dos dentes devem ser avaliados clinicamente. Um instrumento específico, chamado de sonda periodontal milimetrada, é utilizado rotineiramente para avaliação periodontal. A região conhecida como sulco gengival compreende o espaço quase "virtual" entre o dente e a gengiva. A sonda periodontal é introduzida no sulco para medir a profundidade deste espaço. Um sulco saudável mede 1 a 3 milímetros . Quando a doença periodontal está presente, este espaço fica mais profundo (mais de 3mm) formando bolsas periodontais onde acumulam restos de alimentos e bactérias. Em casos severos, a profundidade das bolsas podem alcançar 8mm ou mais.
Radiografias

As radiografias são valiosas ferramentas na avaliação do tecido ósseo de suporte e possibilitam determinar o nível da altura óssea em relação aos dentes. O exame radiográfico é uma excelente forma para documentação do nível ósseo através do tempo. Através de comparação de filmes atuais com filmes mais antigos, é possível verificar se ocorreram alterações do contorno ósseo. Por essa razão, é fortemente recomendado o uso de radiografias dentárias quando há suspeita de presença de doença periodontal.
Seu Plano de Tratamento

Após seu exame, o especialista irá apresentar opções de tratamento de acordo com a extensão da doença. O tratamento consiste basicamente de um programa individualizado de cuidados de higiene oral, terapia mecânica com raspagem supragengival e subgengival e alisamento radicular e, em alguns casos, terapia cirúrgica. Hoje, existem algumas possibilidades de regeneração óssea e recobrimento da raiz exposta, através de cirurgias plásticas, visando a solução de problemas estéticos. Caso a doença tenha atingido um grau de severidade que não permita a preservação do dente, o periodontista irá elaborar um plano de tratamento utilizando implantes dentários.
 
 
 
 
 
© Copyright 2006 - DR. FELIPE BETTI - Todos os direitos reservados